Ponto de vista

A DITADURA DAS SOMBRAS


Fala-se muito em repúdio à ditadura militar no Brasil, considerada por muitos como uma mancha tão grave quanto aquela deixada em nossa história pela escravatura. Mas não somos uma nação livre, muito menos democrática. Tudo, neste país, acontece à revelia da vontade coletiva, da vontade da maioria. Na última quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014, assistimos pasmos à absolvição da corrupção governamental e à consequente desmoralização do judiciário, derradeiro muro  da nossa corroída credibilidade, supremo e último abrigo das nossas desgastadas esperanças. E não foi nenhum golpe de mestre, nenhuma manobra estratégica de alto nível, mas um xeque-mate sujo e descarado em que, na iminência da derrota, adicionam-se novas peças  ao tabuleiro. É a ditadura das sombras vindo à luz, para uma rápida aparição numa situação de emergência, antes de voltar às sombras. De  lá, tornará a nos ofertar cestas básicas, carnaval, depois a copa, mais cestas básicas... e as eleições. E aí, ao que tudo indica, o ciclo recomeça. 

 Não há maior escravidão que a manipulação da inteligência, por que elimina a própria capacidade de pensar. Temos uma nação mentalmente escrava, vivendo uma espécie de  hipnose coletiva, em que desaparecem o raciocínio e a capacidade crítica enquanto olhamos  o que nos dizem para olhar e fazemos o que nos dizem para fazer. 

Naturalmente, este é o meu ponto de vista. Respeito o seu.



Miro Saldanha | Música Gaúcha com cara de Brasil